Entenda a diferença do marketing online e offline e utilize da forma correta

Avatar
Adriano Borges - 26 de junho de 2019

Em um mundo em que só é lembrado quem é visto, o marketing tem relevância cada vez mais evidente.

No entanto, com a consolidação da hiper conexão, é natural o surgimento de dúvidas sobre a efetividade e as diferenças entre marketing tradicional e o digital.

A boa notícia é que princípios como os 4P’s (Praça, Preço, Produto e Promoção) e técnicas de vendas continuam a fazer sentido no mundo online, ainda que a forma de utilizá-los tenha de considerar variantes que, antes da democratização da comunicação com a internet, não faziam parte da rotina dos marketeiros.

E não pense que as ações tradicionais morreram. Não é nada tão trágico. Até porque as duas contam com ônus e bônus nas suas aplicações e o principal fator a ser considerado, em ambas as estratégias, sempre será o público.

Canais, estratégias, conteúdos e mensagens: existe uma lógica já conhecidamente explorada e outra que tem chamado a atenção e atraído cada vez mais investimentos. 

Por isso, desenvolvemos este post. Siga conosco pelos tópicos abaixo para enxergar como guiar essa parte estratégica da sua empresa e obter resultados!

Marketing Tradicional

marketing tradicional

O que é?

O marketing tradicional se baseia nos canais que não tem ligação com a internet, ou seja, as mídias offline.

Entre elas estão a televisão (comerciais, merchandising em programas e inseridos em tramas), anúncios impressos (jornais e revistas), rádios (comerciais, jingles, patrocínios), além das iniciativas locais como flyers, panfletos, carros de som, outdoors, faixas, telões.

Como você pode notar, na posição de consumidor, todas as iniciativas citadas acima ainda existem e chegam até nós no cotidiano entre as mais diferentes atividades.

Seja entre o ir e vir de um compromisso a outro do dia a dia, até dentro de casa, ao checar a caixinha de correios ou ligar a televisão.

Neste ponto é possível perceber que, no tradicional, a iniciativa sempre parte da empresa e que, de maneira geral, o discurso foca na oferta direta do produto.

O apelo pode variar (preço, benefícios, atributo exclusivo ou inovador), mas, de forma geral, a mídia offline fala exclusiva, aberta e persistentemente de comprar e vender.

Comece a observar (independente de ser por meio de uma revista ou comercial televisivo) a publicidade e confira se está ou não alinhada com a vertente mencionada.

Mais do que isso, ponha-se no lugar do leitor e do espectador e imagine o quão envolvido ele pode estar com inúmeras marcas fazendo publicidade da mesma maneira a em sequência aleatória em cada um desses canais.

Obviamente que o objetivo principal do marketing, independente de onde esteja veiculado, sempre será vender (solução, produto, ideia), mas o objetivo aqui é mostrar como as ações do marketing tradicional é focada.

Objetivos

Para entender melhor como é a lógica do marketing tradicional, vale ressaltar que todas tais mídias offline também são mídias de massa.

Ou seja, chega a um número expressivo de pessoas e, portanto, inúmeros perfis (grupos diversos cujos interesses e rotinas são diferentes uns dos outros).

Portanto, o objetivo do tradicional tende a focar no discurso que é comum a todos: comprar.

Mas sejamos justos, não é só esse objetivo que ele cumpre. O tradicional também reforça a marca, legitimando-a no mercado ou fazendo-a ser amplamente reconhecida por ter sido vista repetidamente.

Isso nos dá espaço para falar sobre os benefícios desse tipo de mídia e também alguns pontos a serem colocados na balança antes de investir.

Vantagens

As principais vantagens do marketing tradicional são devido ao amplo alcance, o que, em contrapartida, cobra investimentos maiores e, não raro, expressivos. 

Conheça abaixo algumas das vantagens:

Maior alcance

Não estar na internet pode sim ser um benefício, pois, os sinais de canais como rádio e televisão chegam até as localidades mais distantes e de difícil acesso, em que internet não é uma realidade.

Credibilidade 

Por associar a marca com mídias (o nome do jornal, revista, rádio, cidade, canal de TV) que são conhecidas por toda a população, a credibilidade deles reflete positivamente na empresa e produto.

Durabilidade

As revistas, principalmente, têm vida-útil prolongada dada a qualidade do papel e, por isso, impactam por mais tempo, fazendo o investimento perdurar. No entanto, esta vantagem precisa ser bem avaliada, pois, dada a característica imediatista da sociedade, também pode passar a imagem de desatualização, antigo.

E se você pensou que pessoas idosas seria um dos pontos de destaque, se enganou. O Google mostrou que 25% da população com mais de 60 anos já é ativa no mundo online e quer ter a atenção das marcas.

E como a longevidade é uma tendência do futuro, acreditamos que este ponto é mais positivo para o marketing digital do que para o tradicional.

Esclarecidos os pontos positivos do tradicional, é hora de começar a entender o que o mundo online tem a oferecer e porque tem ocasionado, cada vez mais, burburinho no mercado!

Marketing Digital

marketing tradicional x digital

O que é?

Do outro lado da moeda, o marketing digital trabalha online a partir das infinitas possibilidades geradas pela internet.

Existe uma gama de canais a serem explorados e uma enorme diversidade de dispositivos com os quais é compatível.

Assim, há opções como sites, aplicativos, sistemas, blogs, banners, redes sociais e buscadores que podem ser vistos e acessados em smartphones, computadores, tablets, smart TV’s, fazendo o possível para impactar o consumidor durante todo o dia.

Afinal, nos hábitos atuais, o celular é item inseparável, além de ser o primeiro e o último objeto com que as pessoas têm contato durante o dia.

Pensar em estratégias assim faz com que a marca esteja junto ao cliente nos mais diferentes momentos que tem ao longo da rotina, conforme as escolhas que ele faz: trabalho, academia, estudos, filhos, compras etc.

E o mais interessante é que, além de anunciar em qualquer um desses canais, é possível (e recomendável) ser o dono de alguns deles para garantir espaço vitalício e de destaque.

Objetivos

Ainda que a quantidade não seja um problema no mundo online — já que 74,9% dos lares brasileiros têm acesso à internet, conforme Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) —, o principal objetivo do marketing digital é a assertividade nos anúncios.

Isso porque, a partir dos algoritmos matemáticos que regem a lógica entre buscas e resultados, existe uma preocupação em atingir as pessoas certas, conforme a entrega de valor de cada produto.

Afinal, como mencionado acima, existem perfis de consumidores diferentes em interesses, momentos, disposição de investimento e, no meio online, é possível orientar as ações diretamente para quem tem mais chances de se interessar e comprar o produto.

Assim, todos os investimentos, por consequência, tendem a ser mais assertivos, bastando alinhar a estratégia sobre em quais mídias é mais recomendável colocar recursos, uma vez que existem inúmeras possibilidades.

Com isso queremos chamar a atenção para que você considere canais específicos — além dos convencionais Instagram, Facebook, Google Adwords —, conforme o seu ramo de negócio.

Por exemplo, serviços alimentícios podem integrar o iFood à estratégia, assim como serviços de emergência como borracharias podem identificar o Waze como uma oportunidade, e os hotéis e passeios turísticos colocarem esforços para serem bem avaliados no Airbnb e/ou Trip Advisor.

O ponto-crítico é reconhecer onde os clientes estão e como interagem nesse meio. Unir a expertise sobre o negócio com uma empresa de marketing digital pode agilizar e otimizar o desenvolvimento e a implantação das ações no meio online.

Outro diferencial do meio online é a possibilidade de educar o público. Uma vez que o produto oferece inúmeros benefícios, mas nem todos os potenciais consumidores sabem ou entendem como seria útil para eles, é papel da marca favorecer esse reconhecimento.

Vantagens

Dada as informações acima, mostramos que a precisão de conversar com o público certo é o principal desencadeador de benefícios. Veja quais:

Assertividade e monitoramento

Em ambiente digital, toda ação é passível de monitoramento e, justamente por isso, é tão efetiva. Ao saber escolher os indicadores corretos, conforme os objetivos da estratégia é possível mensurar e interferir, caso os resultados não estejam saindo conforme o esperado.

Relacionamento com o público

Ao ter seus próprios canais, a empresa se beneficia no diálogo com o cliente que passa a ser diário e pode acontecer por diferentes maneiras. Com isso, se consegue firmar um engajamento maior com a marca.

Educar a audiência

A partir de um relacionamento mais próximo e conhecimento profundo sobre o cliente, é possível trabalhar todas as dúvidas e instigar o desejo e a necessidade pelo produto a partir de formatos variados (artigo, podcast, vídeo, ebook, email, webinar).

Respeitar o momento do cliente

Por mais que seja recomendado o mesmo produto, os argumentos, a percepção e o momento de cada consumidor é diferente. E, ao contrário do marketing tradicional em que uma mesma mensagem é veiculada para todas as pessoas, é possível direcionar conteúdos conforme a disposição de compra ou dúvida do cliente.

Investimento acessível

A internet democratizou o acesso à publicidade, pois, por valores acessíveis é possível impulsionar publicações e comprar palavras-chaves para ser encontrado nos buscadores, uma vez que a vitrine tem o mesmo tamanho e alcance, pois, está na mão de todas as pessoas.

Agilidade

O tempo entre colocar uma ação em prática e identificar se funcionou é muito curto e isso é extremamente positivo, pois, torna possível testar inúmeras hipóteses sem grandes danos à marca.

Que tipo de marketing é mais adequado?

Empresas têm diferentes realidades, mas o fato é que, mesmo em compras em lojas físicas, a busca por informações e interação em ambiente digital é uma realidade.

A pesquisa High Tech Retail do Grupo Croma aponta que a pesquisa online é realidade de 73% dos consumidores brasileiros com perspectiva de aumento para 77% em três anos. 

Dados esses que levam em consideração diferentes cenários da concretização da compra, como apontado abaixo:

Fonte: Pesquisa High tech Retail - Grupo Croma

Ou seja, o marketing digital está envolvido na grande maioria das jornadas de compras e, por isso, é presença obrigatória nas estratégias.

Até porque, bem ou mal, os clientes estão falando sobre a marca, o mercado e seus concorrentes e é preciso estar a atento a esse movimento em tempo real, o que só é possível com estratégias bem estruturadas na internet, até para manter os olhos próximos dos movimentos dos principais competidores.

Posso unir marketing tradicional e digital?

Pelos dados e informações apresentadas também é possível entender que o investimento de empresa possa ser nos dois formatos: tanto no marketing tradicional quanto no marketing digital.

A tomada de decisão, no entanto, deve considerar o consumidor de cada empresa e, até mesmo, de cada produto, caso varie no perfil de comprador, até para escolher os melhores canais em cada um dos tipos de marketing e otimizar os recursos investidos.

Entender como é a jornada de compra — entre o despertar da necessidade ou desejo, o entendimento sobre a melhor solução e, por fim, a escolha de um fornecedor —, traz inúmeros insights para os marketeiros e potencializa os resultados da estratégia.

Outra questão a ser considerada, ainda, sobre o marketing digital é a manutenção desse cliente, a possibilidade de monitorar comentários, postagens sobre a marca e, novamente, firmar relacionamento, para incentivar novas compras e estimular a comunicação.

E, então? Conseguimos tirar as suas dúvidas sobre marketing tradicional e marketing digital? Então não deixe de assinar a nossa newsletter para ser um dos primeiros a receber nossas atualizações e se manter em dia com informações estratégicas como essa!

Gostou do texto?

Não perca o nosso próximo artigo! Inscreva-se em nossa newsletter.

Obrigado por se inscrever!